O médico Márcio Antônio Barreto Rocha, de 56 anos, filmado ao agredir e atirar contra a namorada no estacionamento de um hospital de Goiânia passou a responder por lesão corporal. Antes, ele chegou a se tornar réu pelo crime de tentativa de feminicídio.

O crime aconteceu no dia 25 de setembro, no estacionamento de um hospital particular no Setor Bueno. Segundo as investigações, Márcio e a namorada estavam discutindo dias antes do crime e decidiram terminar.


As brigas, no entanto, continuaram devido a questões ligadas a dinheiro e amassados no carro da mulher. Ele, então, teria passado a ameaçá-la e divulgado fotos íntimas dela para outras pessoas.

No dia do crime, após novas brigas, os dois se encontraram no estacionamento do hospital. Segundo a investigação, Márcio começou dar tapas, socos e chutes na namorada. O médico, então, sacou a arma e chegou a colocar na boca na vítima, mas ela se esquivou e o tiro atingiu a perna.

Um vídeo mostra a briga entre o casal (veja acima). Nas imagens de câmeras de segurança do estacionamento, o médico aparece jogando objetos da bolsa da vítima no chão. Em outro momento, a mulher aparece correndo para o carro. Márcio tenta tirá-la de dentro do veículo, puxando-a pelos cabelos.

Depois das audiências para ouvir as testemunhas e também o acusado, o Ministério Público pediu que o crime fosse mudado de tentativa de feminicído, com pena de até 20 anos, para lesão corporal, cuja pena é de até 3 anos.

A defesa também concordou com a mudança para o crime de lesão corporal. A sentença que desclassificou o crime foi dada no dia 8 de novembro e assinada pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara. Como o caso não é tratado mais como tentativa de homicídio, o processo o caso ainda será enviado para o 4º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. O acusado aguarda o processo em liberdade.